4 de novembro de 2006

Vegetarianismo e ocultismo


(...) Até aqui mencionamos o que chamamos de considerações físicas e egoístas que poderiam fazer um homem abandonar o habito de comer carne e voltar-se, mesmo que apenas para seu próprio bem, para uma dieta mais pura. Pensemos agora por alguns momentos sobre as considerações morais e inegoístas relacionadas com seu dever para com os demais. O primeiro destes - e isto parece-me a coisa mais terrível - é o horrível pecado de desnecessariamente matar estes animais.

Aqueles que vivem em Chicago sabem bem como este chocante e incessante massacre prossegue em seu meio, como eles alimentam a maior parte do mundo com a matança por atacado e como o dinheiro feito neste abominável negocio é manchado de sangue, cada moeda dele. Tenho mostrado claramente, com testemunhos irrepreensíveis, que tudo isso é desnecessário, e, se desnecessário, isso é um crime.

A destruição da vida sempre é um crime. Podem haver certos casos nos quais é o menor dos males, mas aqui é desnecessário e sem sombra de justificativa, pois ocorre apenas devido á ganância egoísta e inescrupulosa dos que cunham dinheiro em cima da agonia do reino animal, a fim de suprir os gostos pervertidos daqueles que são suficientemente depravados para desejar tal repugnante aflição.

Lembre-se de que não são apenas aqueles que, ao alimentarem-se de carne os encorajam a cometer seu crime remunerado, que são culpados perante Deus desta coisa terrível. Cada pessoa que compartilha deste alimento impuro tem sua parte nesta indescritível culpa e sofrimento através dos quais ele é obtido. É uma Lei universalmente reconhecida que qui facit per alium facit per se – seja o que for que o homem faz através de outro, o faz ele próprio.

Muitas vezes haverá alguém que dirá: “Mas não faria diferença em todo este horror se apenas eu deixasse de comer carne”. Isto é inverídico e falso; em primeiro lugar, porque isto faria uma diferença, pois ainda que se consuma apenas meio quilo a cada dia, com o tempo chegaria ao peso de um animal; em segundo, porque não é uma questão de quantidade, mas de cumplicidade com um crime, e se você compartilha dos resultados de um crime, está ajudando a torná-lo rentável e, assim, toma parte na culpa. Homem honesto algum pode deixar de ver que é assim. Mas quando os desejos mais baixos dos homens estão envolvidos, eles são usualmente desonestos em sua visão e declinam de encarar fatos evidentes.

(...) Outro ponto para ser lembrado é que há uma espantosa crueldade relacionada com o transporte destes infelizes animais, tanto na terra quanto no mar e, muitas vezes, uma horrível crueldade no próprio abate. Aqueles que desejam justificar estes abomináveis crimes dirão que se faz um esforço para matar os animais tão rapidamente e sem dor quanto possível; mas é preciso apenas ler as reportagens para ver que, em muitos casos, estas intenções não são levadas a efeito e segue-se um aterrador sofrimento.

(...) Se você próprio tivesse que usar a faca ou o machado para matar o animal antes de comer sua carne, compreenderia a natureza repugnante da tarefa e logo se recusaria a fazê-la.

(...) Temos, então, de lembrar que todos nós estamos esperando o tempo de paz universal e bondade – uma “era de ouro” quando não haverá mais guerra, um tempo em que o homem estará tão distante da rivalidade e da cólera que todas as condições do mundo serão diferentes daquelas hoje prevalecentes. Será que o reino animal também tomará parte neste bom tempo que está por vir – que este terrível pesadelo do abate em massa seja removido do mesmo?

(..) Os sentimentos de nervosismo e profunda depressão tão comuns devem-se, em grande parte, a esta terrível influência que se espalha sobre a cidade como uma calamidade. Não sei quantas milhares e criaturas são mortas a cada dia, mas o número é muito grande. Lembre-se de que cada uma destas criaturas é uma entidade definida, não uma individualidade permanente, reencarnante como vocês ou eu, mas ainda assim uma entidade que possui sua vida no plano astral onde persiste por um considerável tempo.

Lembrem-se de que cada uma delas permanece para verter seu sentimento de indignação e horror por toda a injustiça e tormento que foi afligida. Compreendam por si mesmos a terrível atmosfera que existe em volta destes matadouros; lembrem-se de que um clarividente pode ver a vasta hoste de almas animais, de que ele sabe como são fortes os seus sentimentos de horror e ressentimento e o quanto isso repercute em todos os sentidos sobre a raça humana. Eles reagem principalmente sobre aqueles que são menos capazes de resistir-lhes – sobre as crianças, que são mais delicadas e sensitivas do que o adulto endurecido.

Trechos extraídos do livro:

Vegetarianismo e ocultismo

C.W.Leadbeater
Annie Besant - pgs. 50, 51, 52, 54, 66 e 67.
Ed. Teosófica - 1992

2 comentários:

Fitoterapia - Produtos Naturais disse...

Magia de Redenção-Obra de RamatisPublicado por Bolivar Campos Lima em 25 outubro 2010 às 19:29 em LUZ NA MENTE
Back to LUZ NA MENTE Discussions
Opções administrativasEditar tópico Encerrar tópico Adicionar tags
Cancelar
Remover tópico Mus Irmãos

Atendendo às recomendações dos nossos maiores da espiritualidade,entregamo-vos esta obra de advertencia e esclarecimento sobre o processo de "feitiço e bruxaria",na qual preocupou-nos,exclusivamente , a ventura do ser humano e jamais o nosso interesse espiritual. O principal objetivo desta obra, é advertir aos terricolas, quanto a sua tremenda responsabilidade espiritual pelo derrame de sangue de animais e aves,através de matadouro,frigorificos,charqueadas e açougues, cuja barbarie "civilizada" gera cruciante carma humano e torna-se a principal fonte de infelicidade terrena.Enquanto o sangue do irmão menor verter tão cruelmente na face da Terra,os espiiritos (almas) desencarnados tambem terão farto fornecimento de "tonus vital" para a prática nefanda do vampirismo,obsessão e feitiçaria.Sob a justiça implacavel ,da Lei do Carma, a quantidade de sangue vertida pelos animais e aves, resulta por ação reflexa, em igual quantidade de sangue humano jorrado fratiicidamente nos mortiicinios das guerras e guerrilhas! Cada matadouro construido no mundo proporciona a encarnação de um "Hitler" ou "Atila", verdadeiros flagelos,semeadores de sofrimento da humanidade, como executores inconscientes da Lei carmica - a semeadura é livre, mas a colheita é obrigatória! Jamais a aguerra será eliminada da face da Terra, enquanto explorardes a "industria da morte" mediante esses abominaveis matadouros e frigorificos de aves e animais, pois estes como os homens ,são filhos do mesmo Deus e criados para a mesma felicidade. A Divindade não seria tão estulta e injusta, permitindo que o homem dito racional seja feliz enquanto massacrar o irmão menor,indefeso e serviçal,pois ele tambem sente .PAZ,JUSTIÇA e UNIÂO

Marlene (Amara Antara) disse...

Eu deixei de comer carne faz mais ou menos 24 anos, ao terminar de ler um livro exatamente de Ramatis "Fisiologia da Alma". Ramatis que "abriu" minha mente para obras mais profundas, costumo dizer que, se eu tivesse tido um "Mestre" com certeza seria Ramatis. Li todos os livros dele a maioria pela psicografia de Hercílio Maes.
Amor e Luz
Marlene