9 de fevereiro de 2011

Animais em testes de cosméticos:


Animais em testes de cosméticos: pesquisa da FSA aponta a necessidade de um selo de identificação  

Pesquisa revela que consumidores deixariam de consumir produtos ao saber se empresa realiza testes em animais

Pesquisa realizada pela Fundação Santo André revela a necessidade da criação de um selo de identificação em todos os cosméticos, informando se a empresa utiliza animais para testarem seus produtos. O trabalho realizado pelo biólogo Thiago de Jesus Oliveira intitulado "Bioética: a utilização de animais em testes de cosméticos" teve a professora Dagmar Santos Roveratti, como orientadora e ouviu 100 pessoas. Foi constatado que 98% são favoráveis ao selo e, destes, 40% dos consumidores não comprariam o cosmético sabendo que foi testado em animal, 55% continuariam a consumir e 5% não responderam a questão.

De acordo com o Pólo de Cosméticos do ABC, a expectativa do segmento é registrar alta de 16% e, ao todo, o Brasil está em quinto lugar entre os países que mais consomem cosméticos do planeta, com 1.528 empresas atuando neste setor. É o oitavo em termos de quantidades de empresas de cosméticos no mundo, o que contribui para a geração de 2,5 milhões de empregos no país, o que representa 2,7% da população economicamente ativa brasileira. Mas, os consumidores ainda desconhecem os métodos utiliza dos para testar tais produtos. Segundo a pesquisa, 74% dos entrevistados responderam que sabiam sobre a utilização de animais e 24% responderam que não.

Os animais que são utilizados em testes nas indústrias de cosméticos são: ratos, camundongos e coelhos, que são sacrificados logo em seguida. De acordo com Oliveira, o projeto também prevê que os consumidores devam saber que existem alternativas para alguns testes desnecessários que ainda são efetuados nestes animais. A maioria dos entrevistados foram pessoas de 21 a 30 anos, representando 58% da amostra. Quando o trabalho é dividido por gêneros o total é 32% homens e 68% mulheres.

Proposta - A proposta do projeto ainda aponta métodos alternativos já utilizados por algumas empresas que dispensam a utilização de animais. De acordo com Oliveira, é importante para os usuários saberem, como são os testes realizados para garantirem a segurança aos animais. "É justo que as pessoas possam optar se querem ou não comprar um produto de uma empresa que utiliza animais em seus testes."

A pesquisa revelou que as pessoas entrevistadas não sabem quais empresas nacionais testam ou não seus produtos em animais. "Por este motivo, seria interessante o 'selo de identificação' destas empresas ou produtos", conclui.

fonte:
Sérgio Pires
Assessoria de Imprensa Fundação Santo André
Comunicação, Eventos e Concursos
sergio.pires@fsa.br
imprensa@fsa.br
www.fsa.br

Um comentário:

Cristina Bortoli disse...

Eu que já convivi com os mais diversos tipos de animais, não me conformo com tamanha maldade. Já se provou que muitos produtos, medicamentos e afins que foram testados em animais e ao serem aplicados em humanos, causaram reações e morte. O flúor, por exemplo, causou câncer em ratos, no início de seu desenvolvimento, imagino seu histórico até chegar a nós.

Até onde o homem vai chegar? Não há limites!!!